Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4
Acessibilidade 5 Alto contraste 6

Professor Juliano novamente reivindica sistema de liberação de recursos às escolas de BV

Publicado em 01/11/2018 às 20:11 - Atualizado em 01/11/2018 às 20:14

Para Juliano Bernardes, unidades de ensino manteriam pequenas reformas com recursosos irrisórios e teriam mais autonomia
Créditos: Juvan Neto/CMVBV Baixar Imagem

 

● O professor e vereador Juliano Bernardes (MDB) mais uma vez solicitou à Prefeitura de Barra Velha que adote indicação sua visando criação de sistema próprio para a liberação de recursos diretamente às escolas da rede municipal de ensino. O posicionamento do vereador deu-se durante a sessão ordinária do dia 18 de outubro, quinta-feira.

● De acordo com o parlamentar, esse sistema ou programa municipal viabilizaria a liberação de pequenas cotas de recursos à manutenção dos prédios das escolas, numa versão local do programa “Dinheiro Direto na Escola”, do governo estadual. “Já propus em 2017, e estou novamente lembrando, porque escolas e centros de educação infantil, os CEIs, não dispõem na maioria das vezes de recursos para essas pequenas manutenções”, observou o parlamentar.

● Na visão do Professor Juliano, um sistema próprio, desburocratizado, acrescido das devidas prestações de contas por parte das direções escolares, evitaria muitos problemas que se arrastam nas escolas por conta da demora da Secretaria de Obras, que é a responsável por esses reparos.

● Juliano ilustrou citando questões pontuais que ocorrem na Escola Básica Municipal Manoel Antônio de Freitas, em Itajuba, onde há necessidade da substituição de pisos de determinada sala. Ele já havia pedido melhorias à secretária de Educação, Rosemary da Silva dos Santos, e também através do ex-vereador mirim João Victor, e a pequena reforma está acontecendo.

● “Estão iniciando a troca do piso, e eu encontrei a engenheira da Prefeitura na escola, e mostrei ainda um problema de rachaduras que acontece na sala do primeiro ano – a qual não é um problema estrutural”, observou o vereador. “Na obra nova do espaço administrativo, a engenheira viu questões de melhorias ainda necessárias, e ela chamará a empresa responsável”, pontua ele. Para o vereador, situações assim é que justificariam o programa financeiro específico.

● “Nossa indicação pelo programa de autonomia de cada escola visando recursos para pequenas manutenções ocorreu ano passado. Pensei que a gestão iria colocar em prática, mas não aconteceu. É complicado quando precisa-se substituir uma torneira, ou quando quebra um trinco. Poderia ser, por exemplo, um valor de mil reais mensais, que daria bom suporte a uma escola como a Antônia Gasino de Freitas”, comenta.

● Suplementação aprovada

● Também na sessão ordinária do dia 19, Professor Juliano Bernardes (MDB) posicionou-se criticamente em relação ao projeto de suplementação orçamentária de cerca de R$ 7 milhões, visando o complemento de gastos da Prefeitura relativo aos últimos meses do ano. Apesar do voto favorável – Professor Juliano votou sim – ele considerou que só aprovou “em respeito aos servidores públicos” e para evitar que “o prefeito citasse os vereadores como despreocupados com o servidor público”.

● O vereador do MDB destacou que precisam ser revistas as questões relativas ao inchaço da folha de pagamento. O limite prudencial já está perto de 58% - quando a lei estabelece em 54% o índice máximo. “O prefeito demonstra desrespeito e falta de planejamento. Aprovo a matéria porque dessa suplementação depende o salário dos servidores. Mas protesto contra a falta de gestão”, finalizou.

 

Câmara de Vereadores ● Assessoria de Comunicação 
● Fone (47) 99921.4527 ou 3446.7800, ramal 809
● Informação Pública nº 167/2018


Galeria

  • {{galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
Fechar