100%

Vereador Nando critica custos de arbitragem e organização do campeonato municipal de BV

A divisão do Campeonato Municipal de Futebol de Campo de Barra Velha, promovida pela Fundação Municipal de Turismo, Esporte e Cultura (Fumtec) em duas séries, com um total de 16 equpes, gera desperdício e dificulta a execução de um campeonato que poderia ser simplificado e que faria com que times e seus atletas tivessem mais oportunidades em campo. Essa é a opinião do vereador Adailton Manoel Bernardina, o Nando (PP), que criticou o formato adotado pela Fumtec na edição do campeonato deste ano.

De acordo com Nando, que também é promotor de eventos esportivos, a divisão reduz as possibilidades em campo dos jogadores. “Uma equipe, pelo sistema em divisão, joga duas ou três partidas, e pode ser eliminada. Com isso, todo o investimento feito nos uniformes e estrutura da equipe, que é considerável, acaba indo embora, com a desclassificação”, destacou ele. Nando frisa que no sistema anterior, a montagem das chaves permitia muito mais jogos, e dava maior visibilidade aos times. “Se numa partida, a equipe for mal e perder, já era. Dinheiro jogado fora”, pontuou.  

“Temos equipes hoje bem qualificadas, com potencial atrativo. Na classificação do ano passado, estava tudo correto. Mas nesse ano, eu não concordo. Para montar uma equipe, um uniforme custa R$ 2.500, mais R$ 300 de inscrição, e mais uns R$ 200 de despesas com água... são R$ 3 mil reais, investidos para, no novo sistema, para jogar três partidas? Ou seja, cada jogo vai custar R$ 1.000 para a determinada equipe. Se tem 16 equipes, que se monte de outra forma”.

Nando ainda criticou o valor de R$ 45 mil pagos como custeio da arbitragem. “Pasmem, R$ 45 mil. Que a Fumtec reveja essa situação, pois quando eu trabalhei na Fundação de Esportes, na primeira gestão do próprio prefeito Valter Zimmermann, conseguimos baratear buscando a arbitragem mais baratas da região. Não tínhamos tantas equipes, eram menos, mas o comércio também ajudava”.

Como aparte à fala do vereador, o também parlamentar Thiago Pinheiro (PSB) observou que já houve proposta às Prefeituras que contratassem serviços de arbitragem através da Associação de Municípios do Vale do Itapocu (Amvali), que congrega as sete cidades da microrregião. Na opinião de Thiago, Barra Velha deveria optar por viabilizar essa parceria, a fim de que o serviço fosse barateado.

Ponto facultativo da saúde

Outro tema trazido por Nando foi a questão do ponto facultativo dado pela Prefeitura no dia 30 de abril, segunda-feira, data anterior ao 1º de maio, feriado do Dia do Trabalho. De acordo com o vereador, não poderia ser dado um ponto facultativo irrestrito no setor de saúde, deixando apenas o Pronto Atendimento 24h funcionando.

“As unidades básicas estavam todas fechadas, mas a cidade estava cheia”, observou ele. “Na minha opinião, o novo secretário de saúde, Peterson Santos, perdeu a chance de começar seu trabalho com o pé direito, pois não era hora de fechar as portas das UBSs, mas de abrir”, considerou ele, sugerindo que pelo menos uma UBS – seja a do centro, da Quinta dos Açorianos ou Itajuba – fique aberta em feriados, como reforço ao próprio PA 24h.

Doutor Jorge Borghetti (DEM) aprovou a sugestão de Nando, destacando que na sua visão, um posto de saúde parar quatro dias seguidamente onera demais toda a comunidade.

 

 

Câmara de Vereadores ■ Assessoria de Comunicação

■ Fone (47) 99921.4527 ou 3446.7800, ramal 808

■ Texto: Juvan Neto – Jornalista SC 01359 JP

■ Informação Pública 071/2018

 

Notícias